quinta-feira, 24 de setembro de 2009

AS OPINIÕES - Da crítica

“A série de três livros Millennium escrita pelo sueco Stieg Larsson é o primeiro grande marco da literatura policial do século XXI. A leitura do primeiro volume da série é uma experiência inesquecível. (…) Em Os Homens Que Odeiam as Mulheres juntam-se a até aqui mais improvável das duplas: Mikael Blomkvist, jornalista de economia, meia-idade, imerso em OPAS, acções e burlas financeiras, e Lisbeth Salander, 24 anos, uma hacker rebelde capaz de passear discreta nos ficheiros de qualquer computador. Uma Pipi das Meias Altas um pouco mais crescida que trocou as tranças por piercings e tatuagens. Estando assim criadas as condições para um policial mergulhado num mundo cibernético e financeiro altamente conceptual e frio, o que acontece é precisamente o contrário. Gelada, aqui, só mesmo a paisagem da Suécia profunda no Inverno. Tudo o resto trepida.”
Rui Lagartinho, Time Out, Julho de 2008

“Retrato poderoso e fiel deste tempo conflituoso e inquietante em que as mulheres são abusadas.(…) Ao escrever estes policiais (Stieg Larsson), aproveitou para levar a cabo uma exaustiva análise social e psicológica servida por uma história extremamente bem arquitectada e cheia de suspense baseada nos três poderosos pilares do novo Milénio: sexo, dinheiro e poder.”
Helena Vasconcelos, Público, 27.06.08

“Será provavelmente uma das melhores leituras para estas férias. (…) Num estilo veloz, muito seguro e hábil no suspense e no cruzamento das linhas narrativas, Larsson explora a dura realidade de uma sociedade ‘ideal’ agora minada pela corrupção, pelos fundamentalismos, pela violência gratuita, pelas perversões sexuais e por uma misoginia feroz.”
Filipa Melo, Sol, 05.07.08

”A avaliar pelo primeiro volume, este Os Homens que Odeiam as Mulheres, a história possui qualidades para se impor por si mesma. Trata-se de um mistério «thriller» em torno de uma adolescente que desapareceu há 40 anos. (...) As reviravoltas espantam e convencem. Se os demónios são familiares, a ternura final da história é bem característica de uma certa linha europeia de policial, que não deixa por isso de ser eficaz.”
Luís M. Faria, Expresso, 12.07.08

”Fenómeno de vendas na Suécia (e não só), a trilogia póstuma Millennium, do romancista Stieg Larsson, ainda agora começou a ser editada em Portugal e já está a criar uma legião de fãs. (...) O êxito de Larsson, diga-se, é mais do que justificado. Com uma construção narrativa perfeita e um ritmo febril (que cedo transformam a leitura num vício compulsivo), Os Homens que Odeiam as Mulheres lê-se numa penada, apesar das suas mais de 500 páginas.”
José Mário Silva, Ler, 01.09.08

“A publishing sensation, an accomplished crime writer who seemingly came from nowhere … Crime fiction has seldom needed to salute and mourn such a stellar talent as Larsson’s in the same breath.”
Sunday Times

“The journalist and the hacker are ingenious, believable creations… In the end, the novel becomes, among other things, something of a tender love story... This is a striking novel, full of passion, an evocative sense of place and subtle insights into venal, corrupt minds.”
The Observer

“The ballyhoo is fully justified… The novel scores on every front – character, story, atmosphere and the translation.”
The Times

“Anticipation of the treats in store in the remainder of the trilogy are, sadly, tempered by the knowledge that shortly after presenting his manuscript, Larsson died of a heart attack aged 50… [but] his perceptive insights into the abuse of power by both individuals and institutions are designed to reach a wider readership than he could ever have imagined.”
Sunday Telegraph

“An epic crime story…[a] tightly woven crime thriller that pushed all the right buttons.”
Buzz!

Fonte: Website millennium-mania do Grupo Leya

Sem comentários:

Publicar um comentário